terça-feira, 27 de dezembro de 2011

A Tribute Of Mercy: baixe o novo EP

Hey metalheads!!

A segunda edição do tributo ao Mortification está muito bem representada. Com um time composto por bandas como Uzias, Dark Night e The Mary Go Round, este EP está destruidor, com arranjos muito bem executados e vocais que variam do mais bruto gutural ao melódico.

Eu digo que este EP é uma ótima homenagem a esse verdadeiro ministério que o Steve tem cumprido ao longo destas duas décadas de Jesus Metal.

Confira o "Sudamerican Tribute To Mortification"!




Track List :

01 - Introduction to EvAngelene (Orchestral version) - Summum Bonum (BRA) *
02 - Buried into Obscurity - Uzias (ARG)
03 - Metal Blessing - Dark Night (BRA)
04 - Satan's Doom (live) - Tribal Rites (BRA) *
05 - Razorback - Divine Storm/Sartras (BRA) *
06 - Northern Storm - Via Crucixx (BRA)
07 - Access Denied - The Mary Go Round (BRA)
08 - Erasing the Goblin - Tryumphall (BRA)

* - Tracks from "A Tribute of Mercy 1"

DOWNLOAD LINK: http://www.4shared.com/get/MulwigGs/Sudamerican_Tribute.html
sexta-feira, 23 de dezembro de 2011

Capa de "A Tribute Of Mercy - The Second Coming"

Por Márllon Matos


God Rulz!!

O blog anda meio empoeirado né? Mas isso é culpa mais da faculdade e afazeres do que nossa mesmo...

Mas, por fora, estamos correndo atrás de muita coisa boa pra vocês. Em breve, entrevista com Mick Jelinic sobre o Terraphobia e seus anos no Mortification, e uma especial com o Steve Rowe sobre os 25 anos do Lightforce...

Sobre o tributo, tenho boas e más noticias... a má é que ele terá que ser adiado para março do ano que vem (motivos realmente alheios à nossa vontade), e a boa é que vocês verão agora uma prévia da capa de "A Tribute Of Mercy - The Second Coming". A capa foi desenvolvida pelo argentino Juan Roldan, e na minha opinião, ficou realmente fantástica!!!

Penso em liberar um pequeno EP com 4 músicas do tributo, pra deixar vocês com um gostinho de quero mais, mas ainda é apenas uma possibilidade.
No mais,um Feliz Natal para todos. E por favor, nada de papai noel, né?

obs : Não conseguia postar a capa antes por nada, tô tendo que pedir a Carol para fazer isso... ^^


Nova música do Wonrowe Vision online!



"Aqui é a primeira canção nova da Wonrowe Vision que estamos mostrando ao mundo no You Tube. Esta foi a primeira vez que realizamos esta canção "That's Total Evil" ao vivo. Por favor note. Agora estou CANTANDO. Graças ao meus grandes professores de canto Erik Parker e, claro, Lincoln Bowen - A lenda, ele mesmo, quem organiza a minha música comigo e me mostra a melhor maneira de cantar cada música velha e nova. Alguns dos novos materiais são totalmente DESTRUIDORES! Divirta-se! Este show será upado nas próximas semanas e as músicas do 1º CD soam muito melhor CANTADAS, em vez de eu simplesmente frasear as palavras!
Steve."



Wonrowe Vision: Remake de música do Lightforce ao vivo!

"Este é um remake da primeira música que eu já escrevi para a Lightforce em 1986! É a primeira música do Blue Demo dos quais apenas 30 exemplares foram gravados em fita cassete. Eu sempre soube que as músicas eram boas e agora tenho A BANDA para executar alguns desses Heavy Rock Classics - Perfeito para a Wonrowe Vision! Divirta-se!
Steve."



sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Saiu a capa do "Scribes Of The Pentateuch"



Hey folks! O Morty divulgou a capa do novo EP no Facebook e, pelo que notei em alguns comentários, ela tem gerado uma certa polêmica... alguns gostaram do resultado, outros torceram o nariz... mas eis as declarações (e explicações) acerca da mesma, cujo desenho (de fato) tem um estilo um tanto diferente do que vemos nas imagens de álbuns anteriores.

O Steve comentou sobre a capa na página do Infiltration Squad:

"Capa do novo EP/Album do Mortification "Scribes Of The Pentateuch". Dependendo de como o Mortification/Wonrowe Vision Life Achievement Program seguir, ele deve sair no final de fevereiro no próximo ano 2012! Este é apenas um logotipo temporário por agora. Logo será um pouco mais gordo. Precisamos alimentá-lo com alguns hambúrgueres. Haha! Mas esta é a arte da capa finalizada por Esly Stampek. [...]"

Marc Hoffman (Resolution-X), um dos principais colaboradores da banda, postou a imagem em sua página no Facebook e deu a seguinte declaração sobre a mesma:

"Esta é a capa do álbum a ser lançado em 2012 ('Scribes Of The Pentateuch' - os quais são os livros na Bíblia que conhecemos como Gênesis, Êxodo, Levitico, Números e Deuteronômio.
Se você olhar a figura bem de perto você verá o 'braço mecânico da vida', que é a representação de Deus escrevendo à mão estes livros e neste processo os morcegos vão sendo enfraquecidos e mortos. Uma das músicas do álbum é entitulada 'Jaws Of Life'."
(nota: nos trabalhos de resgate e extração o tal braço mecânico recebe o nome de 'jaws of life')

Bom, nem sempre é possível agradar a todos, mas creio que o Steve e todos os colaboradores tem buscado dar o melhor a Deus (primeiramente e sempre) e a nós, que curtimos a banda. Isso (pelo menos pra mim) é o que realmente importa.

God bless!
terça-feira, 1 de novembro de 2011

A brief conversation with Troy Dixon




By Márllon Matos


Hello Troy Dixon! Brazilian Greetings .Tell us a little about your life / career in music until you come to the Mortification?

Hello to you too… I was born in New Zealand and grew up in a town called Wanganui .
i started my first punk rock band at High school with best friend Josuha Louwrens called 'Engraved Invitation' and recorded an EP… such good memories.
When I finished School I joined my Guitar teachers Heavy Rock band called 'Daisy Chain' and traveled all over New Zealand, played at Parachute festival and others… recorded the album called "The Core That You Bite"… great experience.

I then moved to Melbourne Australia in 2002 and Got married to my Beautiful Wife Haley in 2006.

Since 2002 I was involved in various projects and eventually started up my own recording Studio.


How did the opportunity to enter in Mortification? You followed the band's career?

I didn’t follow the bands career as much as others but enjoyed what I heard. I saw Steve playing in Wonrowe vision in late December 2010. I knew Steve lived not far from me and contacted him by email to ask if he knew of any Christian Metal bands looking for a guitarist.
From then We started a great friendship. During that time and an opportunity came up to try out for a 2nd Guitarist in Mortification.


You participated in the writing process of "Scribes...”

No… not for the EP... a few ideas here and there... maybe next release I’ll have more involvement.


What can you tease about Scribes? Lyrics, arrangements, sound characteristics ...

Well... without giving to much away, it’s very different from the other albums. Brutal and experimental within mixing genres... a lot of back to basic old school death metal… influenced my bands like Master, Immortal, Benidiction, Bolthrower...

One of my favorite lyrics on the EP would have to be from the song "Jaws Of Life"… the phrasing is good and brutal vocal tones.


A question that plagues many, hehehe... Why did Scribes is only an EP and not a full cd? What should appear in this release as bonus track?

Steve answered a similar question on his question of the week segment… please do check it out... I guess you will have to find out what the bonus track is when its released… hehe…


Tell us a little about your other band, Amongst Thorns...

Well..."Amongst Thorns" is my solo project/band .. it’s all my influences put in to one force of chaotic sounds of pleasure.. Industrial, metal, experimental rock. I’m currently in the process of recording and releasing an EP called “Defeater” with special guest appearances before the end of the year. So stay posted folks!!


What is your favorite Mortification's song? And your favorite album?

Ahhh too many songs to choose lol... I guess my top favorite song would have to be "From the valley of the shadows"

One of my favorite albums is "Post momentary affliction". Very well produced... great tones and sounds.


Favorite bands and musical influences?

P.O.D, Demon Hunter, Bolthrower, Napalm Death, Blind Guardian, Soulfly, Klank, Circle of dust, Celldweller, Audioslave, The Accident experiment, Black label society, Sevendust, Behold the kingdom, Grave robber, Every knee shall bow, Static-x, Psycroptic, Miseration, old school metal, anything loud! And so many more… haha…
also check out a great Aussie upcomming metal band called "INCRYPT" with debut album 'Masterpiece' on iTunes, Facebook, Myspace, or Reverbnation… give them much support!!


Thank you for the opportunity to interview you. Feel free to make final remarks...God bless!!!

Thanks to all. Crank your stereo volume to full and keep the metal alive!!

Life Achievement Program: concorra a um baixo do Steve Rowe!





Por Norman Lima


Você pode ajudar a tornar o 15 álbum do Mortification "Scribe of the Pentateuch" e do segundo álbum do Wonrowe Vision uma realidade através do apoio ao Life Achievement Program.

Todo mundo que doarem serão listados no novo álbum do Mortification Mortification "Scribe of the Pentateuch" e do segundo álbum do Wonrowe Vision como uma nova legenda Achievement Program.

Doe US $ 50 e você receberá uma cópia assinada do 15 álbum do Mortification "Scribe Of The Pentatech" mais uma cópia assinada do primeiro álbum do Wonrowe Vision, "Mission Invincible".


Doe US $ 100 e você receberá uma cópia assinada do 15 álbum do Mortification "Scribe do Pentatech" mais uma cópia assinada do primeiro álbum do Visão Wonrowe Vision, "Mission Invincible" e uma cópia do segundo álbum do Wonrowe Vision.

Todas as doações de US $ 100 ou mais também entram na corrida para ganhar o baixo do Steve.
Apenas declare em 15 palavras ou menos, com um ponto final no fim, "Por que você merece ganhar o baixo ", juntamente com o seu donativo PayPal.

Click aqui para ver o vídeo [no final o Steve toca uma (?) música...]


Uma breve conversa com Troy Dixon




Por Márllon Matos
Tradução por Carol Mariana


Hello Troy! Saudações brasileiras! Conte-nos sobre sua vida / carreira na música até a sua vinda ao Mortification!

Hello to you, too... eu nasci na Nova Zelândia e cresci numa cidade chamada Wanganui. Montei minha primeira banda de punk rock no ensino médio com meu melhor amigo Joshua Louwrens chamada "Engraved Invitation" e gravamos um EP... boas lembranças...

Quando terminei os estudos eu juntei-me aos meus professores de guitarra numa banda de heavy rock chamada "Daisy Chain" e viajamos por toda a Nova Zelândia, tocamos no Parachute Festival e outros... gravamos um álbum chamado "The Core That You Bite"... foi uma ótima experiência.

Eu então me mudei para Melbourne, Austrália, em 2002 e casei com minha linda esposa Haley em 2006.

Desde 2002 estive envolvido em vários projetos e finalmente comecei o meu próprio estúdio de gravação.


Como aconteceu a oportunidade de entrar na Moritifcation? Você acompanhou a carreira da banda?

Eu não curto a carreira da banda tanto quanto outras pessoas, mas eu curti o que ouvi. Eu vi Steve tocando no Wonrowe Vision no dezembro passado (2010). Eu sabia que Steve não morava longe de mim, então o contatei por email para perguntá-lo se ele sabia de alguma banda de metal cristão à procura de um guitarrista. Daí começamos uma grande amizade. Durante este tempo uma oportunidade surgiu para testar um segundo guitarrista na Mortification.


Você participou do processo de elaboração do "Scribes..."

Não, não para o EP... algumas ideias aqui e ali... talvez no próximo lançamento eu tenha mais envolvimento.


O que você poderia "pincelar" sobre Scribes? Letras, arranjos, características do som...

Bem... sem falar muito, é bem diferente dos outros álbuns. Brutal e experimental dentro de gêneros misturados... muita coisa do death metal old school de volta... influenciou minhas bandas como Master, Immortal, Benidiction, Bolthrower...

Uma das minhas letras favoritas do EP teriam de ser da música "Jaws Of Life"... as frases são boas e os tons vocais, brutais.


Uma pergunta que incomoda muita gente... hehehe... por que Scribes Of The Pentateuch é somente um EP, e não um CD completo? O que deveria aparecer nesse lançamento como bonus track?

Steve respondeu uma questão similar a essa no 'Question Of The week', por favor confira... eu acho que você terá de descobrir qual é a bonus track quando ela for lançada... hehehehehe


Bom, fale-nos um pouco sobre sua outra banda, Amongst Thorns.

Bem, Amongst Thorns é meu projeto/banda solo. São todas as minhas influências postas numa única força de sons caóticos de prazer... industrial, metal, experimental, rock... estou atualmente no processo de gravação e lançamento de um EP chamado "Defeater" com convidados especiais antes do fim do ano. Então, stay posted, folks!


Qual a sua música favorita da Mortification? E seu álbum favorito?

Ahhhh, são muitas pra escolher... LOL... eu acho que a minha top favorite song seria "From The Valley Of Shadows". Um dos meus álbuns favoritos é o Post Momentary Affliction. Muito bem produzido, com ótimos tons e sons...


Bandas favoritas e influências musicais?

P.O.D, Demon Hunter,Bolthrower, Napalm Death, Blind Guardian, Soulfly, Klank, Circle of dust, Celldweller, Audioslave, The Accident experiment, Black label society, Sevendust, Behold the kingdom, Grave robber, Every knee shall bow, Static-x, Psycroptic, Miseration, old school metal, anything loud!! E muito mais... hahahaha
Também confiram uma ótima 'upcomming band' de metal de Aussie chamada INCRYPT, com seu album de estreia "Masterpiece" no iTunes, Facebook, Myspace ou ReverbNation. Dêem bastante apoio a eles!


Obrigada pela oportunidade de entrevistá-lo! Sinta-se livre para fazer observações finais... God Bless!

Obrigada a todos. Aumente o volume do seu estéreo ao máximo e mantenha o metal vivo!!
sábado, 29 de outubro de 2011

Um bate-papo com Lincoln Bowen




Por Márllon Matos e Ismael

Tradução por Norman Lima

Como aconteceu a oportunidade de tocar no Mort?

Eu tinha acabado de me mudar para Melbourne para estudos, quando vi o anúncio do Steve procurando um guitarrista na livraria cristã local. Eu estava realmente animado porque eu amava o seu som agressivo e humor positivo. Eu orei sobre isso e deixei nas mãos de Deus, mas me senti bem desde o início. Conversamos por telefone e mandei algumas demos, então nos encontramos para uma jam e eu e Keith nos encontramos pela e primeira vez. Não que eu não pudesse realmente ouvir a sua bateria ao longo do baixo do Steve!


Quando é que esse desejo de tocar guitarra veio, e como você percebeu essa fascinação com o rock / metal?

Eu comecei a aprender a tocar guitarra depois de ouvir 'Power Praise’ do Rosanna's Raiders. Meu primeiro professor foi um cara que minha mãe ia fazer um jantar para ele, em troca de uma aula de guitarra. Minha primeira banda foi com alguns companheiros tocando covers do Bride, Applehead e Galactic Cowboys. Eu sempre admirei grandes guitarristas tocando e foram esses guitarristas que me levaram a ouvir bandas mais pesadas. Quando eu escutei o meu melhor camarada tocar seus cds do Deliverance, Vengeance, e Mortification , eu não podia acreditar. O barato do thrash é algo emocionante porque ele move você e cria uma resposta física.


Quais são suas influências musicais? (Guitarristas e bandas)

Eu praticamente cresci apenas na música cristã , coisas que meu irmão tocava como: Rez, Whiteheart, Petra e Russ Taff. Os primeiros materiais que eu comprei foram bandas como One Bad Pig, Veni Domine and Tourniquet. Eu amo guitarristas como Dimebag, Darrell e Stevie Vai por causa de suas habilidades e criatividades, mas há algumas bandas como Type O Negative, Sepultura, Led Zeppelin e Alice in Chains, que faz a música realmente agarrá-lo, então eu acho que eles apenas são como uma influência.


Esta questão pode ser um pouco pessoal, mas acho que muitos fãs compartilham dessa curiosidade... Qual foi a razão da sua saída do Mort?

Eu não queria deixar ninguém para baixo e realmente gostava de tocar no Mortification, mas eu não sentia que eu poderia continuar com a gravação e turnê por um tempo a cada semana e manter um casamento saudável e trabalho. Eu senti que tinha que tomar a decisão responsável por mim e minha família. Seu ministério mais importante é a sua família.


Você faz parte do Wonrowe Vision, que é um projeto paralelo do Steve Rowe, o qual mostra que ainda são amigos. Qual experiência tem encontrado nesse novo som, e quais outros planos você tem para o futuro?

Eu e Steve somos bons amigos e um não vive 5 minutos longe um do outro. Ao longo dos últimos anos eu ouvi pilhas dos clássicos do rock dos anos 70 - coisas que eu nunca gostei. Steve sempre quis fazer algum material mais leve, mais rochoso e quando ele me perguntou sobre como trabalhar com ele em algumas coisas no Wonrowe eu saltei sobre ele. Ele esteve gravando algumas coisas do Mortification e o Andrew se casou, mas estamos todos de volta no caminho certo para começar a ensaiar novamente, então vamos fazer um show ou dois e testar algumas novas canções.


Qual é seu álbum favorito de toda a discografia do Mortification?

Mortification é complicado por que, tanto quanto como a Rez band, cada álbum tem, pelo menos, um punhado de grandes canções e um ou dois que realmente não prende você. Eu acho que Scrolls é o meu menos favorito, talvez porque é tão dark, mas eu sempre amei a vibe em Post Momentary e o todo o processo de som da produção. Há montes de canções do Mort que eu amava tocar ao vivo, como Standing At The Door Of Death, Scrolls ..., Your Life, Grind Planetarium a mais um monte...


Como você vê a cena atual do metal extremo cristã? Você acha que a cena evoluiu ou não? E sobre novas bandas, há alguma que você destacaria?

Se você pensar sobre metal cristão em geral, o cenário mudou muito, e eu considero os anos 80 e início dos anos 90 como uma espécie de época de ouro no Metal cristão.
Mas tudo muda e você sempre olha para trás, no que você amou quando era jovem como sendo o maior. Se não tivesse evoluído, não estaria por ai mais. Tudo tem que mudar, até certo ponto, apenas para permanecer relevante. Infelizmente estou um pouco fora de contato com as bandas novas de todos os lugares. Eu vi os As I Lay Dying e Haste The Day tocar e eles foram realmente caras agradável para conversar. Meu amigo me deu um cd do Becoming The Archetype, mas minhas filhas gritaram comigo até fazer eu mudar.
Eu costumava me perguntar sobre as pessoas serem definitivas e cantando sobre Jesus de uma forma qualquer, mas acho que algumas destas bandas tem talvez atingido um público que não teriam de outra forma, e eles têm a oportunidade de mostrar Cristo aos outros através de suas interações pessoais com as pessoas, até mesmo seu estilo de vida, a integridade, e como eles se apresentam com outras bandas.


O Mortification é uma banda muito respeitada tanto na cena cristã quanto secular. E, portanto, todo mundo sabe a postura de uma banda cristã. Com isso, eu me pergunto como as pessoas (familiares, amigos, roqueiros) são com você, sabendo que tocou numa metalband cristã? E sobre o assunto, você freqüenta uma igreja? Qual?

Ninguém nunca teve um problema comigo tocando metal cristão, mas um monte de pessoas que eu conheci longe da banda levantava as sobrancelhas quando eu dizia que era um cristão, porque quando me viram com cabelos longos e roupas acabadas, elas supunham que eu era um cara do mundo. Eu acho que a Austrália levou muito tempo vendo as pessoas com tatuagens ou piercings e pensando que eles são criminosos. Meu pai era o único que costumava se preocupar quando eu tocava música com gritos ou grunhidos nela, pensando que poderia ser desagradável ou ímpio, mas ele me disse no início que ele iria confiar no meu julgamento.

Eu nunca tive qualquer problema com qualquer um em termos de ser incomodados em shows por ser um cristão, talvez porque eu sou grande e feio. Teve uma garota em um show aqui em Melbourne que cuspiu diretamente na minha cara, quando estávamos no palco, mas considero que uma honra se era por eu ser um cristão. Eu vi meu pai sofrer coisas semelhantes quando ele estava pregando em uma pequena igreja no país. Lembro-me dele mantendo as mãos nos bolsos, enquanto um cara socou e deu cabeçadas nele. Ele só ficou tranquilo e levou ...

Quanto à igreja, minha família e vamos para uma pequena igreja luterana. Eu dou aula na Escola Dominical para 4 e 5 anos de idade. Estamos fazendo Josué e os israelitas, no momento.


Você tem algum conhecimento sobre a cena do metal cristão no Brasil? Existem grandes bandas extremas como Krig (cuja influência é Mortification) e Antidemon.

Antidemon estão grandes e populares fora do Brasil, mas eu não acho que eu já ouvi o Krig. Vou ter que verificar isso.


Este ano estamos celebrando 15 e 10 anos do lançamento de "EnVision EvAngelene" e "The Silver Chord is Severed", respectivamente. Quais são suas lembranças da gravação dos CDs?

EnVision foi a minha primeira vez no estúdio com o Mortification e então nós realmente tinhamos que conhecer uns aos outros adequadamente.
Estamos habituados a ter estas mini-olimpíadas no parque de estacionamento e inventávamos competições estúpidas como Frisbee (lançar objetos em forma de disco) com as peles de bateria.

Eu lembro de estar feliz quando Mark McCormack gostou de tocar guitarra, porque ele sempre dava nomes aos 'bois' e fazia as pessoas refazerem novamente quando elas não conseguiam fazer o certo.
O mais engraçado foi ver Keith colocar a língua para fora no lado da sua boca quando deixou rolar para agarrar os pratos. Eu ainda tenho bastante fotos daquele tempo. Minha guitarra ainda tinha as assinaturas dos caras do Guardian, antes de finalmente raspar.
Fazer o The Silver foi realmente diferente. Pela doença que o Steve tinha enfrentado, e por esse ponto eu sabia que o projeto seria muito importante para ele. Fizemos em seu estúdio, que era bem menor do que do Mark, e eu acho que o tom do negócio todo foi muito mais sério. Não sei se alguém se lembra, mas houve um pequeno terremoto a milhas de distância e uma das fotos do Steve caiu.
Mark se acostumou a provocar o meu carro porque ele tinha ferrugem e fazia realmente um barulhento de motor (V8).

Os shows no Brasil foram todos fantásticos, e todos queriam bananas em Curitiba, mesmo no meio do dia. Eu acho que eu troquei minha camiseta Trinity por uma do Zao com uma das crianças lá. Henry Ho estava em estado de choque, eu me lembro, quando ele viu o meu estado das guitarras e como lixadas estavam, mas ele regulou elas perfeitamente.

A melhor coisa foi o quão legal todo mundo era. Houve algumas ameaças de morte quando chegamos, mas em todos os lugares que fomos, havia pessoas olhando para ele e para ter a de certeza de que ele estava seguro em shows. Eu acho que os brasileiros são muito descontraídos, então como australianos estávamos confortáveis aí. As pessoas eram tão generosas . Lembro-me, de volta pra São Paulo no final da turnê, o Sergio e os caras da igreja foram se esforçando ao máximo para fazer de tudo por nós e cuidar de nós. Eles ainda deram uma grande bateria para o Adam, um Timbale eu acho.

Ficamos realmente bem abrigados e abençoados. Eu não acho que nunca tinha bebido tanto café expresso sempre bêbado na minha vida.


“The silver chord...” é o álbum mais criticado da história da Mortification. Qual é a sua opinião sobre esse álbum? Se fosse para gravar ele hoje, mudaria alguma coisa?

Haha... Euu nunca ouvi falar disso. Provavelmente é minha culpa se as pessoas não gostam disso. Eu estava ouvindo tudo de música hardcore como Zao, Overcome, até mesmo coisas como Meshuggah e Chilli Peppers e eu queria ficar um pouco experimental com algumas coisas. Provavelmente deve ser porque o toque de hardcore moderno do anos 90 que os caras do true metal não gostam dele.
Steve foi muito compreensivo, embora ele realmente odiasse todo o material hardcore que estava acontecendo em torno do momento. Acho que foi muito bom, eu estou orgulhoso dele, apesar de ter uma par de faixas de guitarra que eu acho completamente massacradas. As músicas do The Silver Cord é um dos melhores momentos sobre o que eu penso. Eu adoraria ter ficado para mais um álbum depois desse porque estávamos mandando ver em torno de algumas idéias de grandes riffs.


No ano passado, foi lançado uma compilação do Mort com gravações de vários shows, incluindo o seu primeiro com a banda. Você lembra desse show? Estava muito nervoso?

Eu me lembro o primeiro punhado de shows. Acho que foi o primeiro em que um bando de meus companheiros apareceram vestindo camisetas brancas com o meu apelido ‘Djakremma’ impresso sobre eles. Eles tinham viajado oito horas para chegar lá.
Acho que foi o que estávamos em uma escola municipal com o Pegasus e Catwitch. Nós também tocamos em um salão pequeno de escoteiros no país. Eu não estava nervoso nesses shows, eu só queria tocar bem. Eu quebrei uma corda ou duas e meu cérebro congelou algumas vezes, mas isso é normal para mim. Eu nunca senti muita pressão tocando com o Mort nos shows, por que as pessoas estão lá para apreciar a música, assim você pode relaxar e desfrutar tocando... . A primeira vez que eu vi o Mort ao vivo eles tinham todos os tipos de problemas técnicos e não havia guitarra por quase uma música inteira, mas Steve cobria, cantava afastado com seu grinding sobre seu baixo, e eu achava que ele era incrível. "Isso é o que é, apenas apreciá-lo", foi o sentimento que eu tive. Eu realmente aproveitei e fiquei com o pescoço dolorido por cerca de uma semana.


Obrigado pela oportunidade de falar com você! Sinta-se livre para fazer comentários finais...

Tocar no Mortification foi uma verdadeira bênção para mim. Steve é um grande amigo e seu nível de compromisso com o que ele faz é inacreditável. Sua perseverança em meio à adversidade é incrível, mas eu sei que ele não poderia fazê-lo sem o incentivo e generosidade que ele recebe dos fãs. Saber que as pessoas são abençoadas por e através de seu ministério significa o mundo para ele porque ele é a realização de trabalho de sua vida. Sou abençoado por ter me envolvido com esse trabalho. Obrigado pela oportunidade de compartilhar tudo isso.

God Bless ya!
Lincoln

sábado, 15 de outubro de 2011

Mais uma integrante no time




E aeh galera do Mortifination!!! Tô super contente por entrar nesse time de responsa! :D

Meu nome é Carolina, mas Carol já é suficiente (risos)! Sou natural de Salvador, Bahia, estou com 25 anos e curto rock desde os 15.

Conheci o Mortification em 2003, mesmo ano em que aceitei a Cristo como meu único e absoluto Senhor e Salvador. Lembro até hoje da primeira música que ouvi deles, "Human Condition"... depois disso, foi "amor à primeira vista" (risos)!!!

Passei por um hiato em 2009, devido a umas situações chatas que aconteceram, e fiquei completamente desatualizada com relação às coisas da banda, bem como do cenário do metal cristão. Porém, agora estou de volta a ativa - e com força total (risos)!

Confesso que não tenho muita experiência com blogs, mas espero contribuir aqui no Mortifination com informações e novidades sobre a banda!

Como bônus, vaí aí um "bate-bola" que fiz com o Márllon:

Márllon: Primeiro cd que ouviu deles?
Carol: 'Post Momentary Affliction'

M: Gosta desse cd?
C: MUITO!

M: Música favorita desse cd
C: 'Distarnish Priest'

M: Musica que menos gosta?
C: difícil dizer... rs

M: Música Favorita
C: 'Envision Evangelene'

M: Cd que vc não gosta de ouvir...
C: 'The silver cord is severed' é o que menos curto! rs

M: Música que menos gosta...
C: 'Hardware', do 'The Silver Cord...'

M: Se tivesse uma banda cover do Mortification,quais seriam as 10 músicas do seu repertório?
C: Hmmm... acho que seriam essas:

1- Envision Evangelene (amo letras, cadência, arranjos, tudo)
2- From The Valley Of Shadows
3- Distarnish Priest
4- Until The End
5- Razorback
6- Way Truth Life
7- Hammer Of God
8- Priests Of The Underground
9- Satan's Doom
10- Time Crusaders

É isso aí, gente... que Deus abençoe a todos nós!
GOD RULZ!!!!
sexta-feira, 14 de outubro de 2011

"Scribe of Pentateuch": revelado o track-list do novo álbum do Mortification


Novidades do novo CD do Mortifa, pessoal!

Bem, pra começar, e isso é uma surpresa:
- "Scribes of Pentateuch" (título do novo trabalho) não será um álbum full-light, mas um EP - algo inédito no histórico da banda.
- O CD resgatará um pouco da fase clássica do Mortification (thrash/death old school) com influências modernas e até unblack metal.
- A data prevista para o lançamento é de Janeiro de 2012 (ano em que o clássico "Scrolls of Megilloth" completa 20 anos)
- 5 faixas do "Scrolls..." estarão no "Scribes of Pentateuch", que apresentará também algumas versões ao vivo com a formação atual da banda.

Atualmente, o Mortification é composto por:
- Steve Rowe (voz e baixo)
- Troy Dixon (guitarra)
- Andrew Esnouf (bateria)
domingo, 2 de outubro de 2011

Mortification Day 2011




Happy Mortification Day!!!

Bem,o dia mesmo foi ontme,mais por porblemas na net não consegui postar aqui o WebSingle.
Neste ano caprichamos e posso dizer que este single está animal!!!
São 2 covers agora,The Destroyer Beholds feito pela australiana Grave Forsaken e uma versão de God Rulz,feita pela banda False Idle,que não estará no A tribute Of Mercy 2, e um bônus que não irei revelar,hehe..
Também temos uma entrevista exclusiva com o ex-guitarrista Lincoln Bowen,que falou sobre como entrou na banda,seus anos lá e o motivo de saida,além das suas memórias sobre a turnê brasileira ocorrida em 2001.
Falando sobre essa turnê,inclui o review dos 3 shows como um presente para os 10 anos dessa tour mágica!!!

O link para download é : http://www.4shared.com/file/tV-YkqU2/Mortification_Day_2011.html


Aguardem em breve noticias sobre o A Tribute Of Mercy 2 , que,garanto,está matador!!!


God rulz!!!
segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Mortification: novo CD está pronto e pode sair em vinil



Steve Rowe postou no site de sua produtora, a Rowe Productions, a seguinte declaração:

“Acabei de receber todas as 6 canções novas do Mortification hoje. Finalmente, todos os mixs estão terminados! Sounds AWESOME! O Mort soando muito como no começo com um toque de algumas novas surpresas! Muita produção de metal extremo moderno com o real desfixado tocado nos primeiros anos! "SCRIBE OF THE PENTATEUCH" está a caminho. ! Devidamente no final de dezembro/ início de Janeiro em CD/Itunes e, possivelmente, também em vinil!
Estou muito animado!
Link
Steve Rowe

Mais informações e o link para você curtir, logo abaixo:
http://www.roweproductions.com/page/infiltrationsquad

Bençãos! Que venha logo esse aguardado CD!!!!

Crédito pela notícia: SIN KILLER
sábado, 3 de setembro de 2011

Great news!!!



God rulz !!!

I would first like to apologize for the delay in updates.I was busy speeding detail in several areas of my life,but back to the blog with big news for all fans of Mortification.


1 - "Scribes of the Pentateuch" will be released in 1st of January,one song title is "The Jaw of life".


2 - Great bands will participate in the second part of the tribute to theMortification, but will not be revealed on launch day, hehehe...


3 - Mortification Day 2011will be a little different.The make a blood donation campaign,the "Bloodfication"(thax Norman Lima!!!).We want, throughout the world, fans of Mortification will donate blood on October 1.Find out how to do in your city and what measures are needed to donate blood.
As Christians we are saved by the blood of Christ and nothing better than to donate our blood to save other lives, right?


 4 -   We will be releasing a special single with a cover there will be in "ATOM 2".plus interviews with former band members and a special report onthe band's tour in Brazil in 2001.




For those who have facebook to be vigilant in the event (http://www.facebook.com/event.php?eid=127479500684187) for more information..


God rulz!!!
domingo, 17 de julho de 2011

[Review] CD/DVD "Mortification - Live Planetarium" (1993)

http://www.metal-metropolis.com/Mortification/mortification_live_dvd.jpg

http://2.bp.blogspot.com/_8l-UoXTKgQY/TErXxAw9OjI/AAAAAAAAA1c/-C707eZoLBY/s1600/Mortification+-+Live+Planetarium.jpg

Gravado em 1993, no Blackstump Festival, em New South Wales, na Austrália, "Live Planetarium" é o 5º lançamento do Mortification, resultando em um CD e um DVD ao vivo.
Trata-se de um dos registros mais históricos do metal cristão.

Com uma platéia empolgada, Steve Rowe (Baixo & Vocais), Michael Carlisle (Guitarra) e Jayson Sherlock (Bateria) - a formação clássica do Mortification - liderou faixas matadoras, cheios de energia e disposição.

Iniciando com "Grind Planetarium", um hino anti-estrelismo, a banda abre o show, causando furor na platéia, deixando visível que o show seria arrasador!

Logo após, "Distarnish Priest", outra faixa clássica da banda, com uma letra que complementa (de forma mais ampla) a mensagem da música anterior. O gutural de Steve está impecável no refrão!
Ambas as faixas fazem parte do álbum "Post Momentary Affliction", daquele mesmo ano.

A seguir, temos um clássico do 1º álbum da banda, "Mortification": "Brutal Warfare" (simplesmente animal!). Essa faixa simplesmente detona! Steve está muito bem em sua performance, e ao seu lado os excelentíssimos Michael e Jayson produzem toda a fúria dessa faixa, que aborda o tema da batalha espiritual.

"Scrolls of Megilloth", indispensável! Um hino tanto da banda quanto do metal cristão! Destaque para Michael Carlisle, com uma ótima aparição no palco, demonstrando simpatia e, ao mesmo, tempo características de um genuíno metaller.

"Symbiosis" é uma faixa inédita, criada para esse lançamento duplo, e que1 ano depois, integrou o track-list do CD "Blood World". Uma faixa que mistura thrash metal com riffs de heavy metal e alguma influência hardcore. Uma excelente faixa, contudo possui uma letra que até hoje não entendi direito o significado(!)

Um dos (vários) destaques desse lançamento é a homenagem feita ao Bloodgood, que encerrara suas atividades há pouco tempo (a banda retornou em 2006, mas ainda não lançou nenhum material inédito). O cover escolhido é da música "Black Snake", que ficou muito bem na versão death metal e na voz de Steve! Um verdadeiro soco no estômago de Satanás!

Além destas, ainda temos as ótimas "Time Crusaders" (do álbum "Scrolls of the Megilloth") e "Human Condition" (do "Post Momentary Affliction"). E o show termina com uma dobradinha entre "The Majestic Infiltation (God Rulz)"/"This Momentary Affliction".

É preciso destacar aqui, com honras merecidas, o ótimo entrosamento entre os 3 membros. Steve dispensa comentários, mas Michael e Jayson são verdadeiros merecedores de palmas, por suas atuações no palco e competência em seus instrumentos. Se Michael é o que mais agita a galera, Jayson mostra (mais uma vez!) porque é um dos melhores bateristas de metal!
Aliás, esse show/lançamento marcaria a saída de Jayson, que foi tocar no Paramaecium e, em seguida, fundar o Horde.

Ainda em meio ao show, temos a apresentação dos clipes "Grind Planetarium" (apresentando o novo baterista Phil Gibson) e "Scrolls of Megilloth". Uma idéia incomum, é verdade. Acho que poderiam ter incluído esses clipes nos extras, mas...Steve falou, tá falado.

Nos extras, podemos ver um pouco da intimidade e vida pessoal de Steve com seus familiares, amigos, colegas de banda e até seu cachorrinho peludo! Além disso, há alguns vídeos de shows (alguns com boa qualidade, outros não), além do clipe RARÍSSIMO de "Bathed In Blood" (do álbum "Mortification")!

Mas talvez o maior dos destaques (para nós, brasileiros), seja o opção de legendas em português, que vem como um presentaço, e ainda pode servir como arma ao utilizar esse DVD para evangelizar um amigo roqueiro.

Já o CD, apresenta 3 faixas a mais: "Destroyer Beholds" e "Inflamed" (ambas do clássico "Scrolls of the Megilloth", de 1992) e "From the Valley of Shadows" (do "Post Momentary Affliction").

Dois produtos obrigatórios na sua estante! Clássicos como esse são eternos!


NOTA: 5/5


Track-List:
  1. "Grind Planetarium" - 5:16
  2. "Distarnish Priest" - 7:50
  3. "Brutal Warfare" - 4:10
  4. "Destroyer Beholds" - 3:56 (apenas no CD)
  5. "Inflamed" - 3:32 (apenas no CD)
  6. "Scrolls of the Megilloth" - 3:29
  7. "Symbiosis" - 6:03
  8. "Time Crusader" - 5:55
  9. "Black Snake" - 2:37 (Bloodgood cover)
  10. "From the Valley of Shadows" - 8:12 (apenas no CD)
  11. "Human Condition" - 5:45
  12. "The Majestic Infiltration of Order" - 1:10
  13. "This Momentary Affliction" - 0:47
quarta-feira, 13 de julho de 2011

[Review] Mortification - Mortification (1991)

http://3.bp.blogspot.com/_y0MQgbTb3To/S-tFctO3xbI/AAAAAAAABH8/valzhx22WPo/s1600/ddafec2381c5.jpg

FELIZ DIA DO ROCK!!!

Final dos anos 80. A banda de heavy metal Lightforce vinha fazendo um certo sucesso em seu país. Até que, em 1990, a banda terminou, com a saída de seu vocalista. Porém, o baixista Steve Rowe permanecia com vontade de tocar metal com uma mensagem cristã, e foi acompanhado nessa idéia pelo baterista Jayson Sherlock e pelo então guitarrista Cameron Hall. Assim, decidiram reformular totalmente a banda, mudando drasticamente o seu som para o thrash metal, com uma influência do death metal também. Ainda nesse ano, lançaram o trabalho demo Break The Curse, ainda sob o nome da Lightforce, com Steve assumindo os vocais.

Steve percebeu que a nova direção musical da banda exigia um novo nome, e então o grupo passou a se chamar Mortification. Foi então que, finalmente, em 1991, lançaram o seu 1º álbum oficial, o auto-intitulado Mortification. Michael Carlisle assumiu o posto de guitarrista com a saída de Cameron Hall, e os rumos musicais da banda mudaram mais uma vez. Muitas músicas da demo “Break The Curse” foram usadas no novo álbum, porém com uma pegada mais pesada. Steve também provou ser um excelente vocalista de death metal, mostrando um bom desempenho no álbum.

E o Blog MortiFination não poderia deixar esse dia tão especial (o Dia do Rock) passar em branco, sem citar um dos álbuns mais importantes do metal cristão. Certamente, esse álbum foi um divisor de águas, pois fincou a estaca em solo firme e fundamentou um dos sub-gêneros mais aclamados, e também mais odiados dentro do segmento cristão.

"Mortification" traz tudo aquilo que um fã de metal pesado apressia. Riffs cortantes, pedal duplo ensandecido e um vocal monstruoso. Somado a qualidade técnica, músicas excelentes que não saem da cabeça do ouvinte.

A qualidade de gravação do álbum lembra muito jóias preciosas do metal extremo em geral, como as primeiras bolachas do Megadeth, Sepultura ou Metallica, com toda aquela atmosfera clássica do old school. Thrash Metal matador de primeira!

"Until the End" não é a melhor faixa de abertura da banda. Aliás, não curto mto essa música, mas ela consegue transmitir esse sentimento que citei acima.
"Brutal Warfare" é uma das minhas músicas preferidas do Mortification e pode, sim, ser considerado um clássico do thrash metal cristão.

Nisso, posso destacar também "Bathed In Blood", que mergulha nesse misto de thrash com death metal, resultando numa faixa destruidora! E tem também "Satan's Doom", outra faixa de arrepiar até o headbanger mais anti-cristão.

"No Return" é um death rápido e agressivo, com Steve fazendo um gutural que chega a saltar as veias pra fora! E Jayson faz uma de suas melhores performances nas baquetas em "The Destroyer Beholds".

O álbum fecha com as complementares "Journey Of Reconciliation" e "The Majestic Infiltration of Order", que dispensam comentários.

Nesse Dia do Rock, fica aqui a minha dica: "Mortification". Um álbum nu e cru, que esse ano está completando 1 Década (10 anos)! Feito pra bater cabeça e cuspir na cara de Satanás! Clássico!

GOD RULZ!

NOTA: 5/5



  1. "Until the End" – 3:47
  2. "Brutal Warfare" – 3:58
  3. "Bathed In Blood" – 4:31
  4. "Satan's Doom" – 6:06
  5. "Turn" – 0:33
  6. "No Return" – 2:42
  7. "Break the Curse" – 2:44
  8. "New Awakening" – 5:04
  9. "The Destroyer Beholds" – 3:19
  10. "Journey of Reconciliation" – 4:13
  11. "The Majestic Infiltration of Order" – 1:06
sábado, 2 de julho de 2011

[Review] Mortification - Hammer of God (1999)


Esse álbum pode ser considerado uma continuação do "Triumph of Mercy" (de 1998), lançado logo após a cura milagrosa de Steve Rowe - que foi um fato marcante dentro da história do metal cristão. E, assim como seu antecessor, "Hammer of God" deixa o death metal de lado e aposta mais na mistura de Groove e Thrash Metal, com alguns toques de Classic Metal. O vocal de Steve também está mais "amenizado", nada de gutural, apenas uma voz mais rasgada.

A faixa de abertura, "Metal Crusade", deixa bem claro essa nova direção musical. Tem um bom trabalho de guitarra e é quase um 'heavy'in'rock'.

"Martyrs" já é um pouco mais puxado para o Thrash Metal Old'School, com alguns solos de guitarra que quase me lembraram Power Metal.

"Lock Up The Night" cai um pouco em ritmo, deixando mais visível o Groove Metal adotado pela banda. Riffs simples e quase sem nenhuma expressão.

"In The Woods" (escrita pelo batera Keith Bannister) retoma um pouco mais de peso, enquanto "A Pearl" incrementa alguns elementos de Doom Metal - o que até deixou a faixa bem interessante (só ficaria melhor se ela estivesse aliada ao poderoso death metal de outrora da banda).

A faixa-título, "Hammer of God", talvez seja uma das mais interessante do álbum. E "Liberal Mediocrity" tem riffs bem legais, diversificando um pouco das faixas anteriores.

"Ride The Light" já começa com uma boa pegada groove/thrash, com a guitarra de Lincoln Bowen impondo mais distorção, enquanto Steve executa algumas cavalgadas em seu baixo. A inclusão de teclado nessa faixa deu ar bem legal para a música. Talvez seja a mais legal do álbum.

Serei sincero em dizer que achei esse álbum fraco. Ele tem alguns bons momentos, mas nenhuma faixa que eu realmente destacaria como um clássico da banda. Fazendo uma comparação: achei "Bloodworld" (com seus elementos core estranhíssimos) melhor do que este "Hammer of God".


Não é um CD que eu indicaria para um fã de metal extremo conhecer o Mortification.

Este seria o último álbum de estúdio de Keith Bannister, que logo após gravar mais 2 EP's ao vivo, deixaria as baquetas, tendo seu posto assumido pelo adolescente Adam Zaffarese.

NOTA 2,8/5
quinta-feira, 30 de junho de 2011

New Confirmations for "A Tribute of Mercy 2"



Cláudio Passamani - EnVision EVangelene part 1 e 2

Athar - Until the End

Uzias - Buried into Obscuraty

Springsun - Crusade for the King

Skin Culture - Standing at the Door of Death

Grave Forsaken - The Destroyer Beholds (Já recebida)

Via Crucix - Northen Storm

Dark Night - Metal Blessings

Fire - Jehovah Nissih

Perpetual Faith - Brutal Warfare
quarta-feira, 29 de junho de 2011

Nova adição ao "A Tribute of Mercy 2"




Let me hear some noise!!!

Nova banda confirmada ao "A.T.O.M.-2" , e se chama Via Crucix.
O que,nunca ouviu falar na banda?Bem,ela é bem under,e nem eu tinha ouvido falar antes,mas recebi a promo digital do cd deles e curti muito.O grupo faz um thrash bastante original,com algumas passagens que lembram o antigo Betrayal.A música escolhida pelo grupo será "Northen Storm".

God rulz!!!

OBS : Já recebi o cover de "The Destroyer Beholds" feito pelo Grave Forsaken,tá matador!!!
terça-feira, 28 de junho de 2011

[Review] Mortification - Relentless (2002)

http://1.bp.blogspot.com/_hr14AdwEvJE/S3gvbXm1mdI/AAAAAAAAAuM/XWV-WtOjIc4/s400/21_01_15_2008_3_47_02_Mortification+-+Relentless.jpg

Num momento raro da biografia do Mortification, a banda lançou "Relentless" - contando com 2 guitarristas, Jeff Lewis (solos) e Mick Jelinic (base). A banda seguiu para um rumo um pouco mais pesado com elementos do thrash e do classic metal.

Prova disso é a 1ª faixa, "Web of Fire" - que vem logo após a intro. Um metal explosivo, com a bateria de Adam Zaffarese detonando tudo, enquanto a nova dupla-prodígio da banda executava riffs poderosos. Mas talvez o maior destaque dela seja o baixo monstruoso de Steve Rowe - na minha opinião - em uma de suas melhores performances. Ótima (senão a melhor!) faixa que dita como será o álbum daqui em diante.

"God Shape Void" continua a barulheira, mas parece dar uma freada em comparação à faixa anterior. Alguns riffs me lembraram o thrash old'school do Megadeth.
"Priests Of The Underground" vem logo a seguir, destruindo tudo. Uma das melhores faixas desse petardo - e com o título que, originalmente, serviu de inspiração para a criação desse blog.

"Bring Release" já deixa claro desde o início, com as batidas bombásticas de Adam e os riffs cortantes de Mick/Jeff, que o negócio é porrada sonora do início ao fim!

"Syncretize" possui algumas influências core - mas, diferente do álbum "Blood World", aqui elas funcionaram bem. Música pegada, com batidas e riffs devastadores e incríveis solos de guitarra. Uma das melhores faixas do CD.

"The Other Side Of The Coin" é um ótimo thrash metal que lembra, em alguns momentos - principalmente no refrão - a banda secular Sepultura. Refrão simplesmente grudento, com um trabalho excepcional da banda em conjunto. O vocal drive de Steve está excelente!

"Altar of God" se destaca por sua letra. Steve, como sempre, arrasando nas composições e provando sempre que o metal é uma ferramenta legítma de evangelização.

"Estamos aqui para sempre, estamos indo...estadia,
Nenhuma força do mal, podem fazer-nos ir longe,
Estamos na conduta do trovão, trazemos o dia,
O Caminho da cruz, a única maneira!
Estamos trazendo bondade, contra o grão,
Nem a morte ou a escuridão, têm algo a dizer.

Acender a chama, a tocha de luz
O dia da cruz, chegou agora

Trazemos o martelo, da Verdade hoje,
Nós esmagaremos os limites daquilo que outros dizem,
Triunfo da misericórdia, O Supremos deverá Reinar
O verdadeiro início, da vida e do sonho,
Será para sempre, de uma maneira brilhante,
O poder da cruz,é a única maneira!

... E nós Cultuamos a Deus em Seu altar,
... E nós Cultuamos a Deus em Seu altar,
... E nós Cultuamos a Deus em Seu altar,
... E nós Cultuamos a Deus em Seu altar,

Esta noite!"

Entre outros destaques, está "Sorrow", com uma bela introdução, que viaja entre o doom metal e as linhas core. Essa faixa é bem arrastada, em comparação as demais, mas ainda assim tem seu brilho, sendo bem executada.

O álbum ainda apresenta "3 Of A Kind" (outra composição inspiradíssima!), "Arm The Annoited", "New Yourk Skies" e "Apocalyptic Terror". Continuar falando desse trabalho me tornaria repetitivo, afinal a qualidade de "Relentless" é inquestionável.

Trata-se de mais um ótimo álbum pesado para os fãs do Mortification e apreciadores do Metal Extremo em geral.

Infelizmente, a banda só teve duas apresentações com essa formação, pois logo Jeff Lewis deixou a banda.

NOTA: 4/5



Track-List
  1. Intro
  2. Web Of Fire
  3. God Shape Void
  4. Priests Of Underground
  5. Bring Release
  6. Syncretize
  7. The Other Side Of The Coin
  8. Altar Of God
  9. Sorrow
  10. 3 Of A Kind
  11. Arm The Annoited
  12. New Yourk Skies
  13. Apocalyptic Terror
Line-Up:
  • Steve Rowe - Voz & Baixo
  • Mick Jelinic - Guitarra Base
  • Jeff Lewis - guitarra principal
  • Adam Zaffarese - Bateria

Language

Portugues-BR English-EN

Arquivo

Estatisticas

Contador

free counters